Conhecendo o Rei: o modelo de conduta nos relacionamentos

844 VISUALIZAÇÕES DEIXE UM COMENTÁRIO
images

Já faz algumas semanas que não escrevo um texto inédito do Conhecendo o Rei e confesso que estava com saudade de compartilhar com vocês aquilo que busco aprender sobre Cristo e o que Deus tem me ensinado.

Uma das coisas que mais têm me preocupado nos dias de hoje e que têm sido, ou talvez, que sempre tenha sido um desafio na vida, não só dos cristãos, mas dos seres humanos, em geral, é o nosso relacionamento com o nosso próximo, o nosso relacionamento uns com os outros.

Sabemos que lidar com pessoas não é fácil. Se relacionar com outras pessoas não é algo tão fácil quanto parece, principalmente quando nos damos conta das nossas diferenças. Com base nisso e, refletindo em Romanos 15, trago à tona hoje um tema que pode nos ajudar a enxergar em Cristo um exemplo de como se comportar quando em convívio com outros e como um relacionamento pode ser menos complicado.

O trecho chave do tema de hoje se encontra nos versículos de 1 ao 6 de Romanos 15, que dizem:

“Mas nós que somos fortes devemos suportar as fraquezas dos fracos e não agradar a nós mesmos. Portanto, cada um de nós agrade ao seu próximo no que é bom para edificação. Porque também Cristo não agradou a si mesmo, mas como está escrito: Sobre mim caíram as injúrias dos que te injuriavam. Porque tudo que dantes foi escrito para nosso ensino, para que, pela paciência e consolação das Escrituras, tenhamos esperança. Ora, o Deus de paciência e consolação vos conceda o mesmo sentimento uns para com os outros, segundo Cristo Jesus, para que concordes, a uma boca, glorifiqueis ao Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo.”

A minha bíblia traz um título interessante para essa passagem: ‘Cristo nos dá o exemplo da abnegação’. O primeiro ponto que podemos puxar da vida de Cristo é que relacionamento também exige negar a si mesmo. Se olharmos pra Jesus, toda sua história foi de abnegação, de não satisfazer os seus próprios interesses, mas colocar o outro acima de si.

Se prestarmos atenção, um dos maiores problemas que impedem as pessoas de terem um convívio saudável é o fato de que, vulgarmente falando, ninguém quer ficar embaixo do outro. É lindo quando o apóstolo Paulo fala em Filipenses 2:3, “nada façais por rivalidade, nem por vaidade; pelo contrário, cada um considere, com toda humildade, as demais pessoas superiores a si mesmo.” Imaginemos juntos, como seria o meio social se cada um olhasse pra o outro como alguém superior a si? Quantas contendas seriam evitadas? O quanto de violência deixaria de existir? O quanto os relacionamentos seriam tão mais fáceis, saudáveis e edificantes? O que Jesus fez, fez pensando em nós. E se o que nós fizéssemos fosse pensando no nosso irmão?

O segundo ponto a ser tratado é que relacionamento exige compreensão, paciência e perdão. (V. 4 e 5) As maiores dificuldades enfrentadas pelas pessoas em seus convívios familiares e sociais, em geral, são causadas pelas diferenças de personalidade. Infelizmente, ou felizmente, nenhum de nós é perfeito; e quando os defeitos do nosso próximo, nossos amigos, parentes, começam a ficar mais claros e visíveis, podemos nos decepcionar ou até mesmo não saber como reagir frente a isso.

Cristo nos ensina a sermos pacientes e sempre compreensivos uns com os outros. Existe ser mais falho do que nós seres humanos? Imagina que Deus, em toda a sua perfeição, olha para nós, pecadores, e ainda assim decide nos perdoar. Se ele, que é Deus, age assim, por que também nós não? Ora, o seu próximo erra tanto quanto você. A questão é que nós somos tão orgulhosos que sempre achamos o erro do outro pior que o nosso. É aí que entra aquele primeiro ponto: negue-se a si mesmo.

O terceiro e mais importante ponto é: relacionamento exige amor. Tudo o que já falei aqui só é válido e só existe de fato, quando existe amor. A maior herança que Jesus nos deu e nos dá a cada dia é o seu amor por nós. Por amor, ele viveu uma vida de abnegação, abriu mão dos seus anseios e tomou as nossas dores. Por amor, ele foi compreensivo, paciente e perdoador. Por amor, ele se entregou em nosso lugar.

Paulo fala em 1 Coríntios 13, você sabe: “o amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.” João também nos alerta em sua primeira carta: “quem ama a Deus, ame também o seu irmão.”

Queridos, não é possível se relacionar com alguém de forma pura e saudável, se não houver amor em nosso coração. Discussões, choques de diferenças, essas coisas acontecem; mas elas nunca poderão romper uma amizade, um casamento, um laço familiar, se o amor estiver em você.

Claro que tudo o que falei é pequeno comparado às demais coisas que Cristo pode nos ensinar quanto ao convívio com o próximo. Você pode acompanhar nos 4 primeiros livros do Novo Testamento, testemunhos de sua passagem no mundo e ser edificado.

Te desafio a enxergar o seu próximo com outros olhos, como Cristo nos enxergou, e a cada dia semear o amor uns para com os outros.

Fiquem na paz de Yahweh.

 

AUTOR (A)

Rayanne C Antunes

18 anos, pernambucana, acadêmica de Engenharia, membro da Comunidade Cristã Evangélica, colunista do Servos de Jesus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>